Citações #17

Design sem nome

Se vocês acham que a resenha de Os quase completos ficou longa, saiba que ainda deixei diversas citações de fora! O livro foi escrito por Felippe Barbosa e foi publicado em 2018, pela editora Arqueiro.

Como eu comentei em minha resenha, trata-se de um livro que fala muito sobre buscarmos nossos sonhos e nossa felicidade:

“-Bom, cada um de nós deve seguir o próprio caminho. Encontrar o próprio… País das Maravilhas”. (p.34)

E é sempre bom lembrarmos que as coisas boas da vida [alerta de clichê] nem sempre são coisas, mas podem ser pessoas! Porque é no contato humano que a gente aprende, evolui, sente:

“Há sempre pessoas em nossa vida que nos surpreendem” (p.157)

E por falar em pessoas e sentimentos, uma passagem que traz muito do que o meu namorado costuma dizer também:

“Amar alguém é demonstrar carinho, preocupação e apoio. É colocar as necessidades alheias acima das nossas” (p.244)

Como Os quase completos fala tanto sobre vida, não poderia deixar de falar sobre morte também:

“A morte é a maior certeza que nos cerca e, ao mesmo tempo, a incerteza que mais grandiosamente nos assombra” (p.199)

Mas a maior lição que fica desse livro é a de que precisamos nos conhecer e lutar contra os nossos próprios fantasmas e medos para que possamos ter uma vida saudável:

” -É engraçado descobrir que você pode ser seu pior inimigo, não é?” (p.296)

Ficou com vontade de ler esse livro? Compre na Amazon.

Assinatura

Anúncios

Allegro em hip-hop – Babi Dewet

Título: Allegro em hip-hop
Autor: Babi Dewet
Editora: Gutenberg
Páginas: 334
Ano: 2018

(Leia ao som de: As quatro estações – Vivaldi)

A série Cidade da Música se passa no Conservatório Margareth Vilela, mas como cada volume conta a história de um personagem diferente, podemos ler os livros na ordem que quisermos. Eu gostei muito de Sonata em punk rock e estava bem ansiosa para Allegro em hip-hop. Ansiedade, aliás, é um elemento muito importante nessa história.

Camila Takahashi — mais conhecida por Mila — é uma jovem bailarina descendente de asiáticos e que sempre deu duro, seja pela cobrança familiar, seja pelo fato de que o ballet era sua maior paixão. Por seu esforço e seu talento, consegue uma bolsa para estudar na Margareth Vilela, um renomado conservatório de música que abriu também um curso de ballet, para que os músicos pudessem tocar para os bailarinos.

“Mila tinha nascido para ser a melhor e não seria nada menos que isso”

Allegro em hip-hop (p.12)

Apesar de se exercitar diariamente e se alimentar de maneira relativamente balanceada, Mila não levava uma vida realmente saudável: ela treinava noite e dia, até não aguentar mais, e mesmo exausta treinava mais um pouco. Ela se cobrava de maneira assustadora e não tirava nenhum tempinho para conhecer um pouco mais sobre si mesma. Ao menos não até que tanta coisa começasse a acontecer em sua vida que ela se viu obrigada a refletir um pouquinho sobre seus sentimentos. E é lindo ver como essa personagem amadurece ao longo do livro.

“Ela não fazia ideia de por que discussões e gritaria sempre a deixavam com a sensação de que estava fazendo algo errado, mesmo que o problema não fosse com ela”

Allegro em hip-hop (p.21)

Ao longo da história vamos acompanhado a progressão dos sintomas da ansiedade de Mila, que passa a ter de compreender o que acontece consigo mesma para poder superar seus próprios obstáculos. O mais interessante deste livro, porém, não é somente o fato de termos uma protagonista com ansiedade (e descendente de asiáticos, ainda por cima), mas também o fato de que ele nos mostra o quanto há pessoas ao nosso redor que estão dispostas a nos ajudar.

Mila, por exemplo, tem uma melhor amiga no Conservatório, chamada Clara. Elas são muito diferentes entre si, em inúmeros aspectos, inclusive na questão familiar: enquanto a família de Camila é extremamente conservadora e tradicional, Clara tem duas mães que, segundo as personagens, são incríveis.

“Sorriu pensando no quanto ela e Clara eram diferentes e como se gostavam mesmo assim”

Allegro em hip-hop (p.50)

É nos corredores da Margareth Vilela que Mila conhece, também, Vitor, um violinista ruivo extremamente paciente, simpático, atrapalhado e compreensível.

“Alguma coisa nele trazia uma sensação reconfortante, como o sentimento de voltar para casa”

Allegro em hip-hop (p.34)

Apesar do romance que se instala entre eles, fazendo Mila repensar diversos aspectos de sua vida, percebemos que esse não é o foco dessa história e que Vitor poderia até aparecer como um simples amigo. A presença dele, no entanto é indispensável, pois é ele quem faz o elo entre o ballet de Mila e o hip-hop de seus amigos músicos.

“O compasso era em Allegro, um andamento musical leve, ligeiro e animado, que normalmente é interpretado com movimentos coreográficos mais rápidos e agitados”

Allegro em hip-hop (p.203)

Mila ainda conta, ao longo do livro, com o apoio do Clube da Diversidade, que faz com que ela enxergue a importância de lutar pelo respeito às minorias e combater os preconceitos cotidianos. Muitos outros personagens também lhe estendem a mão, assim como ela busca sempre fazer o bem aos que estão perto dela. Allegro em hip-hop, portanto, também nos fala muito sobre empatia, como não poderia deixar de ser.

“Era engraçado como a força podia vir de pessoas que nem conhecia ou de pequenos momentos ou detalhes”

Allegro em hip hop (p.116)

Outro ponto interessante da história de Allegro em hip-hop é que apesar de se passar numa escola fictícia, em que convivem apenas músicos e bailarinos, trata-se de uma realidade que podemos encontrar facilmente fora das páginas desse livro. Todos os personagens ali são extremamente palpáveis, cheio de sonhos, sentimentos, medos, vontades. Mas ao colocar tudo isso em um Conservatório, Babi Dewet nos permite conhecer mais a fundo, também, as dificuldades que bailarinos e músicos encontram em sua formação e carreira.

“Aquela velha história de que bailarinas eram pessoas boazinhas e altruístas não era totalmente verdade. Elas eram guerreiras e batalhadoras, que buscavam seu lugar ao sol e deixavam sua marca em uma comunidade disputada por ótimos artistas”

Allegro em hip-hop (p.59)

A única coisa que não me pareceu muito real ou que não entendi muito bem ao longo da história foi o fato dos personagens mostrarem a língua um pro outro o tempo todo! A gente faz isso na vida real em todos aqueles contextos???

A narrativa de Allegro em hip-hop é em terceira pessoa e a maioria dos capítulos, claro, são centrados em Mila, mas há alguns mais voltados para Vitor também. Além disso, podemos encontrar, também, diversos diálogos e mensagens de texto trocados entre os personagens. E claro, não poderia deixar de mencionar que cada capítulo traz como “título” uma música diferente.

Eu poderia passar horas e horas falando sobre esse livro, que realmente me fisgou, mas vou parar por aqui com o pedido de que leiam essa belezura. Quando terminei de ler eu não sabia como reagir. O final da história deixa um enorme gosto de quero/preciso de mais. É um final bem aberto, mas ao mesmo tempo, perfeito para o caminhar da narrativa.

Recomendo muito para quem ama ballet e música; para quem quer compreender melhor aqueles que sofrem de ansiedade; para quem quer um livro que apresenta e representa com responsabilidade minorias; para quem, em resumo, quer ler uma boa história, leve e, ao mesmo tempo, profunda.

Adquira seu Allegro em hip-hop por R$28,90 na Amazon

Assinatura

Tatianices recomenda [3]

Hoje trago a recomendação de duas histórias em quadrinhos que vocês não podem deixar de ler. Todo mundo que já leu, amou (eu inclusive). Vamos conferir?

2317592
[Persépolis – Marjane Satrapi – R$43,90, na Amazon]
 Sinopse:

Marjane Satrapi tinha apenas dez anos quando se viu obrigada a usar o véu islâmico, numa sala de aula só de meninas. Nascida numa família moderna e politizada, em 1979 ela assistiu ao início da revolução que lançou o Irã nas trevas do regime xiita – apenas mais um capítulo nos muitos séculos de opressão do povo persa. Vinte e cinco anos depois, com os olhos da menina que foi e a consciência política à flor da pele da adulta em que se transformou, Marjane emocionou leitores de todo o mundo com essa autobiografia em quadrinhos, que só na França vendeu mais de 400 mil exemplares. Em Persépolis, o pop encontra o épico, o oriente toca o ocidente, o humor se infiltra no drama – e o Irã parece muito mais próximo do que poderíamos suspeitar.

 

51jq-ZU9yHL._SX345_BO1,204,203,200_
[Maus – Art Spiegelman – R$47,90, na Amazon]
Sinopse:

Maus (“rato”, em alemão) é a história de Vladek Spiegelman, judeu polonês que sobreviveu ao campo de concentração de Auschwitz, narrada por ele próprio ao filho Art. O livro é considerado um clássico contemporâneo das histórias em quadrinhos. Foi publicado em duas partes, a primeira em 1986 e a segunda em 1991. No ano seguinte, o livro ganhou o prestigioso Prêmio Pulitzer de literatura. A obra é um sucesso estrondoso de público e de crítica. Desde que foi lançada, tem sido objeto de estudos e análises de especialistas de diversas áreas – história, literatura, artes e psicologia. Em nova tradução, o livro é agora relançado com as duas partes reunidas num só volume. Nas tiras, os judeus são desenhados como ratos e os nazistas ganham feições de gatos; poloneses não-judeus são porcos e americanos, cachorros. Esse recurso, aliado à ausência de cor dos quadrinhos, reflete o espírito do livro: trata-se de um relato incisivo e perturbador, que evidencia a brutalidade da catástrofe do Holocausto. Spiegelman, porém, evita o sentimentalismo e interrompe algumas vezes a narrativa para dar espaço a dúvidas e inquietações. É implacável com o protagonista, seu próprio pai, retratado como valoroso e destemido, mas também como sovina, racista e mesquinho. De vários pontos de vista, uma obra sem equivalente no universo dos quadrinhos e um relato histórico de valor inestimável.

Vocês já leram algum desses livros? O que acharam?

Eu li “Maus” mais de uma vez e sou bem suspeita pra falar desse livro, pois me interesso muito por histórias sobre o Holocausto. Mas não vou negar que aprendi demais com “Persépolis” e sempre fico feliz com o interessa das pessoas por essa história.

Assinatura

Citações #16

Ao escrever minha resenha do livro I pesci non chiudono gli occhi, de Erri de Luca, acabei deixando muitas citações de lado. Vamos conferi-las agora?

“Eu acredito naquilo que vejo escrito” (p.33)

Algo escrito realmente tem muito mais força do que algo falado, no sentido de ficar gravado na mente das pessoas. Mas nem sempre tudo o que está no papel (ou nas telas) é tão verdadeiro assim…

“Aquele menino de dez anos continua até hoje inalcançável para mim. Eu posso descreve-lo, mas não o posso conhecer” (p.55)

Essa é uma citação que diz muito sobre a história, sobre o narrador, sobre o que passa(va) dentro dele. Mas também é algo que diz muito sobre nós mesmos, que nunca paramos para efetivamente refletir sobre nós.

Uma citação que eu não poderia deixar de fora, por achar a minha cara, é essa aqui:

“Amavam-se, aqueles dois, davam-se livros de presentes” (p.71)

Eu dou livro de presente mesmo, por sentir que eles são capazes de nos transformar! E claro que também amo receber livros de presente. Já comentei aqui no blog sobre alguns que dei e recebi.

“Para aqueles que têm o torto desejo de jamais ter existido, resta o cargo de fantasma” (p.72)

Sobre essa citação, fico pensando sobre pessoas que de tão tímidas preferiam ser invisíveis, já que a inexistência não é exatamente uma opção. Ou então aquelas pessoas que acham que não fazem/conseguem fazer nada que possa parecer transformador, e que acabam por sentir que vivem num eterno e silencioso anonimato, quando, na realidade elas podem fazer uma enorme diferença na vida de alguém próxima a elas.

Por fim, uma citação que para alguém que ama estudar línguas, não poderia ser deixada de lado:

“A língua é a última propriedade de quem parte para sempre, e ela não voltou mais à sua terra” (p.73)

Podemos ser imigrantes ou refugiados, mas a nossa primeira língua, aquela que aprendemos na infância, que crescemos escutando, levaremos para sempre conosco.

E por fim, para quem quiser acompanhar as citações no original, aqui estão elas:

“Io credo a quello che trovo scritto” (p.33)

“Quel bambino di dieci anni resta oggi al di fuori della mia portata. Lo posso scrivere, conoscere no” (p.55)

“Si amavano, quei due, si regalavano libri” (p.71)

“Per chi ha lo storpio impulso di non esserci mai stato, resta il mestiere di fantasma” (p.72)

“La lingua è l’ultima proprietà di chi parte per sempre e lei non tornò più nella sua terra” (p.73)

Assinatura

O andar do bêbado – Leonard Mlodinow

Título: O andar do bêbado: como o acaso determina nossas vidas
Original: The Drunkard's Walk (How Randomness Rules Our Lives) 
Autor: Leonard Mlodinow 
Editora: Zahar
Páginas: 322
Ano: 2011 
Tradução: Diego Alfaro

O andar do bêbado, como definido por Stephen Hawking, é “um guia maravilhoso e acessível sobre como o aleatório afeta nossas vidas”. Ao longo de 283 páginas, Leonard Mlodinow nos apresenta de maneira clara e com exemplos palpáveis noções de probabilidade e ele faz isso para conseguir explicar como não estamos no controle do nosso futuro e como pequenos acontecimentos podem nos afetar.

O escritor esclarece ainda:

“O título O andar do bêbado vem de uma analogia que descreve o movimento aleatório, como os trajetos seguidos por moléculas ao flutuarem pelo espaço, chocando-se incessantemente com suas moléculas irmãs”

O andar do bêbado (pg. 10)

O livro está dividido em dez capítulos: o primeiro é uma introdução à obra; do segundo ao sétimo capítulo temos as noções de probabilidade e estatística, entrecortadas por exemplos e causos contados pelo autor; por fim, nos capítulos oito a dez são apresentadas as aplicações e implicações reais destes conceitos em nossas vidas.

“Neste livro examinamos muitos dos conceitos que nos ajudam a compreender os fenômenos aleatórios. Ao longo do caminho, adquirimos percepções sobre diversas situações específicas que se apresentam em nossas vidas”

O andar do bêbado (pg. 249)

Ainda que as explicações sejam acessíveis, é preciso ter interesse no assunto para realmente se deliciar com este livro. Recomendo, portanto, principalmente para aqueles que não sabem muito bem por onde começar a ler sobre probabilidade. Mas, para além dessas noções, o livro apresenta também vários fatos históricos e curiosidades do mundo.

Com certeza não é um leitura fácil ou fluída. Mas ler com calma poderá te abrir novos horizontes. Como livro, portanto, O andar do bêbado cumpre muito bem o seu papel.

Assinatura

Tatianices recomenda [2]

amazon

Você está terminando a leitura de um livro e ainda não sabe o que ler depois? Pois trago aqui algumas sugestões!

Se você quer uma leitura um pouco mais rápida, mas cheia de conteúdo e com histórias que envolvem música, recomendo “Noturnos – histórias de música e anoitecer“, de Kazuo Ishiguro.

Por outro lado, se você está procurando uma história mais longa e cheia de mistérios e acontecimentos, recomendo “Os quase completos“, de Felippe Barbosa.

E, para terminar, se você está em busca de uma leitura refúgio para dias sombrios, nada melhor que ler “A arte de ler“, de Michèle Petit.

E, para comprar cada um desses livros, basta clicar nos links abaixo:

Assinatura

Citações #15

Hoje trarei a vocês apenas mais 2 citações do livro La Sposa giovane, escrito por Alessandro Baricco e publicado pela editora Universale Economica Feltrinelli em 2016. Como trata-se de um livro em italiano, vou aproveitar para colocar também o original aqui, ao final do post.

“A infelicidade rouba tempo ao prazer, e no prazer se constrói a prosperidade” (p.27).

É muito doido como, de repente, as coisas passam a fazer sentido, não é mesmo? Pensem nas pessoas que vocês conhecem e que, pelos rumos da vida, dedicam-se a uma atividade que não é aquela que elas queriam. Imagine essa mesma pessoa trabalhando no que gosta. Ela poderia até receber menos, mas estaria muito mais feliz. Muito mais satisfeita consigo mesma. E teria muito mais força para realizar tantas outras coisas em sua vida.

Essa citação aí de cima, para mim, tem muito a ver com saúde mental. E com sentir. O que nos leva à segunda citação de hoje:

“- Sentir é muito pouco, minha querida.

– Mas às vezes é tudo, senhor” (p.142)

Essa é uma passagem que, na história, tem mais a ver com a questão da intuição. Mas podemos ampliar para os sentimentos como um todo. Viver vazio de sentimento não é viver, assim como arrastar-se em uma vida infeliz.

E pensando nisso tudo, eu gostaria de dizer mais uma coisa também: lute ao lado daqueles que você ama. Ajude-os a realizar os seus sonhos, independentemente do tamanho deles. Essa é a melhor maneira de ver cada um prosperar e viver em paz. E é apenas isso que queremos para quem nos faz bem, não?

Para encerrar, como prometido, as citações originais:

“L’infelicità ruba tempo alla gioia, e nella gioia si costruisce prosperità” (p.27)

“- Sentire è un po’ poco, cara.

– Ma alle volte è tutto, signore” (p.142)

Assinatura

 

Resumão – Outubro

Outubro chegou ao final e, de uma forma ou de outra, sobrevivemos. Quem diria, não é mesmo? Por aqui, preferi me manter isenta das discussões políticas, para ter ao menos um espaço de respiro. Por isso, no dia 02/10 postei a resenha de I racconti di Nené, um livro de Camilleri que gostei muito de ler. No dia 04/10 postei o Citações #13, com frases de “Aristóteles e Dante descobrem os Segredos do Universo”. Na semana seguinte, no dia 09/10 postei a resenha de mais um livro italiano: I pesci non chiudono gli occhi, de Erri de Luca. No dia 11/10, por outro lado, postei a TAG To all the boys I’ve loved before. No dia 16/10, data dos meus 13 meses de namoro, postei a resenha de um livro muito especial: Os quase completos, de Felippe Barbosa. As citações #14, postadas no dia 16/10 foram de “As cinco pessoas que você encontra no céu”. No dia 23/10 postei a resenha de Pirandello em cinco atos, traduzido e organizado por Maurício Santana Dias. Por fim, no dia 25/10, trouxe a vocês o Projeto Purpurinar, que acho muito bonito.

Além disso, outubro foi um mês de novidades por aqui: como comentei no post Tem novidade chegando…, postado no dia 22/10, dei uma mexida na aparência do blog e me tornei uma afiliada da Amazon. Desde então trouxe os seguintes links para vocês:

  • Os quase completos – Felippe Barbosa (R$26,90 na Amazon)
  • A arte de ler – Michèle Petit (R$45,77, na Amazon)

As leituras do mês, por outro lado, não foram muitas:

  1. Understanding language teaching: from method to postmethod (B. Kumaravadivelu);
  2. Allegro em Hip Hop (Babi Dewet).

 

Assinatura

 

Tatianices recomenda [1]

A arte de ler insta

Alô alô galera! Segunda feira é dia de que? De livros maneiros para comprar na Amazon!

Semana passada eu trouxe para vocês o link de Os quase completos. Hoje trago A arte de ler – Michèle Petit, um dos primeiros livros que resenhei por aqui (confira: A arte de ler). O livro custa R$45,77 na Amazon e pode ser adquirido através deste link: A arte de ler – Amazon.

Eu recomendo muuuito a leitura desse livro, de verdade! Quem leu a resenha sabe o quanto ele pode ser transformador. E um alento em tempos difíceis (;

E vocês, que livro recomendam?

Assinatura

Você já ouviu falar do Projeto Purpurinar?

Quem aí já ouviu falar do projeto Purpurinar? Trata-se de um projeto sem fins lucrativos que oferece áudios e palestras a pessoas com deficiência (principalmente visual).

Eis a descrição presente no site do projeto:

O projeto Purpurinar é uma iniciativa sem fins lucrativos que visa difundir o conhecimento literário a pessoas com deficiência a partir de arquivos de áudios gravados por voluntários ou “ledores virtuais”, disponibilizados online. Quer participar? Você pode fazer isso agora mesmo, no conforto de sua casa, no seu computador ou no celular.

Em seguida, há um passo a passo, nos ensinando a gravar o texto escolhido para enviar para o projeto.

O projeto foi criado em 2009 e, segundo informações do próprio site, busca facilitar a vida de quem quer ajudar, mas não dispõe de tempo fixo para isso durante a semana.

O site, aliás, é bem fácil de navegar, e é possível acessar cada página por meio do menu lateral. Podemos entrar em contanto com a idealizadora do projeto, ver as playlists, áudios em outras línguas, audiolivros, baixar softwares de gravação de voz e muito mais!

Soube desse projeto por meio de um amigo e logo enviei uma colaboração. Foi realmente bem fácil e a pessoa responsável por esse trabalho foi super atenciosa e logo me deu um retorno.

E vocês, estão esperando o que?

Site do projeto Purpurinar: http://www.purpurinar.com.br/

E vocês, conhecem algum projeto super legal e que sempre tiveram vontade de divulgar??

Assinatura